O ativismo digital de Lorelay Fox: estética e performance de gênero

Josefina de Fatima Tranquilin Silva

Resumo


neste artigo[1] indago o canal do Youtube “Para Tudo” da drag Lorelay Fox, problematizando seu caráter político e comunicacional, uma vez que as tecnologias estão imbricadas às apropriações políticas juvenis operadas nas cartografias digitais. O objetivo é discutir como a performance e a estética de Lorelay Fox configuram seu ativismo de gênero. A Etnografia é a metodologia: a técnica da observação dos vídeos e a ferramenta de entrevista em profundidade, aplicada com Danilo Dabague – criador da Lorelay Fox –, formatam o trabalho de campo etnográfico. A pesquisa de recepção compõe a metodologia como busca investigativa.

[1] Pesquisa financiada pela FAPEP/CAPES. Processo nº 2014/11551-0. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)


Palavras-chave


ativismo digital e politicidades; etnografia; drag Lorelay Fox; estética e performance; juventudes.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


AGUILERA, R. O. Generaciones: movimientos juveniles, políticas de la identidad y disputas por la visibilidad en el Chile neoliberal. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2014. Disponível em: . Acesso em 20 mar. 2016.

ALCÂNTARA, L. M. de e BRITO D’ANDRÉA, C. F. de. Redes de movimentos sociais e intervenção na esfera pública interconectada: um estudo da campanha pelo limite da terra na internet. In: SILVEIRA, BRAGA, PENTEADO (orgs). Cultura, política e ativismo nas redes digitais, São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2014.

BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2015.

COGO, D. e BRIGNOL, L. D. Redes sociais e os estudos de recepção na internet. Matrizes, ano 4, nº 2, p 15-21, jan. /jun. 2011. Disponível em:

. Acesso em 28 abr. 2016.

CORTÉS, J. M. G. Políticas do espaço: arquitetura, gênero e controle social, São Paulo, Editora Senac, 2008.

Di FELICE, M. Ser redes: o formismo digital dos movimentos net-ativistas. Matrizes, ano 7, nº 2, p. 49-71, jul. /dez. 2013. Disponível em: . Acesso em 24 abr.2016.

FONSECA, L. M. Ciberativismo na Amazônia: os desafios da militância digital na floresta. In: SILVEIRA, BRAGA, PENTEADO (orgs). Cultura, política e ativismo nas redes digitais, São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2014.

LEITE JUNIOR, J. Transitar para onde? Monstruosidade, (des)patologização, (in)segurança social e Identidades transgêneras. Estudos Feministas, 20(2), p. 559-568, maio/ago, 2012. Disponível em: Acesso em 05 abr. 2016.

LEMOS, A. Blogs.Com: estudos sobre blogs e comunicação. In: AMARAL, RECUERO, MONTARDO (orgs.), São Paulo, Momento Editorial, 2009.

MARTÍN-BARBERO, J. Arte/comunicação/tecnicidade no final do século. Revista Margem, Educ/Fapesp, p. 06-20, nº 8, dez. 1998.

MARTÍN-BARBERO, J. Jóvenes: des-orden cultural y palimpsestos de identidad. In: Cubides, Humberto et al. Viviendo a toda. Bogotá, Univesidad Central e Siglo del’hombre, 1998-b.

MARTÍN-BARBERO, J. Ofício de Cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultura, São Paulo, Loyola, 2004.

MARTÍN-BARBERO, J. As novas sensibilidades: entre urbanias e cidadanias. Matrizes, no. 2, p. 207-215, abril, 2008. Disponível em: . Acesso em 22 fev.2016.

MORIN, E. O paradigma perdido: a natureza humana, Lisboa, Europa-América, 1995.

MORIN. E. Cultura de massas no século XX: espirito do tempo, São Paulo, Editora Forense, 1969.

NUSSBAUMER, G. M. Cultura e identidade gay: a diferença do múltiplo fsm/UFBA. In: INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2001, Campo Grande. Anais... Campo Grande: UNIDERP, UCDB, UFMS, 2001. p 70-85. Disponível em:

. Acesso em 07 maio 2016.

PRATA, P. Dilatada, Reconfigurada, Contemporânea: juventude e pirataria como exercício de cidadania cultural. Contemporânea, edição especial, Vol.6, ano 3, p. 222-243, 2008. Disponível em:

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/contemporanea/article/view/17256 . Acesso em 25 maio 2016.

REGUILLO CRUZ, R. Emergencia de culturas juveniles. Estrategias del desencanto, Buenos Aires, Grupo Editorial Norma, 2000. Disponível em: . Acesso em 18 fev. 2016.

RINCÓN, O. Narrativas Mediáticas: O como se cuenta la sociedade del entretenimento, Barcelona, Gediza ed. 2006.

ROCHA, R. L. de M. Políticas de visibilidade, juventude e culturas do consumo: um caso (de imagem) nacional. In: CONGRESSO LUSOCOM, 8, 2012, Lisboa. Anais... Lisboa: AGACOM, s/p. Disponível em: . Acesso em 30 marc. 2016.

ROCHA, R. de M; AUTORA. Alteridade de gênero e deslocamentos de sentido como práticas feministas em rede: observações sobre a página “Moça, você é machista”. Contracampo, v. 35, n. 02, pp. 33-51, ago/nov., 2016. Disponível em: < http://www.contracampo.uff.br/index.php/revista/article/view/934/pdf>. Acesso em 04.jan.2017.

RODRIGUES, C. e HEILBORN, M. L. Gênero e pós-gênero: um debate político. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 10, 2013, Florianópolis. Anais... FLORIANÓPOLIS , UFSC, P. 55-70. Disponível em:

http://www.fazendogenero.ufsc.br/10/resources/anais/20/1384187904_ARQUIVO_carlarodrigues.pdf. Acesso em 22 set. 2016

SILVA, A. Imaginários urbanos, São Paulo, Perspectiva, 2001.

SILVEIRA, S. A. da; BRAGA, S. e PENTEADO, C. Cultura, política e ativismo nas redes digitais, São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2014. Disponível em:

. Acesso em 30 mar. 2016.

ZUNTHOR, P. A letra e a voz: A "literatura" medieval, São Paulo, Companhia das Letras, 1987.

AGENCIA BRASIL EBC. “Com 600 mortes em seis anos, Brasil é o que mais mata travestis e transexuais”. . Acesso em 20 ago. 2016.

LORELAY FOX. Disponível em: . Acesso em 01 dez. 2016.

NÓS DIVERSOS. Disponível em: . Acesso em 20 abril 2016.

PARA TUDO DE LORELAY FOX. Disponível em: . Acesso em jun. 2015.

PARADA LGBT DE SOROCABA. Disponível em: . Acesso em 22 mar. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v14i40.1316

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: REVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  | 

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br