Sobre a constituição da noção de frame televisual (ou Analisando conceitualmente as reconfigurações nos modos de assistir TV)

Caroline Cavalcanti de Oliveira, Carlos Eduardo Marquioni

Resumo


Assistir televisão assume, na contemporaneidade, novos significados: os modos de ver TV têm sido reconfigurados, ultrapassando o ato de acompanhar conteúdos veiculados em “fluxo” (Williams) pelas emissoras. A partir da premissa da existência de um frame (Gumbrecht) e observando a noção de limites da imagem (Aumont), é proposta a potencial definição do que seria um frame televisual associado a uma nova experiência de TV. Englobando tanto uma expansão da tela quanto uma ampliação do tempo de veiculação, o frame televisual compreenderia o espectador, o televisor e os gadgets associados aos novos modos de ver televisão, constituindo uma atmosfera. O contexto sugerido é exemplificado pela articulação da participação da audiência com a veiculação dos conteúdos no reality show de gastronomia MasterChef Brasil.


Palavras-chave


Televisão; Reconfiguração; Experiência; Frame televisual

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


AUMONT, Jacques. A imagem. Campinas: Papirus, 2004.

BARBOSA, Marialva Carlos. Imaginação televisual e os primórdios da TV no Brasil. In: RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor; ROXO, Marco. História da televisão no Brasil: Do início aos dias de hoje. São Paulo: Editora Contexto, 2010. p. 15-35.

BARBOSA, Marialva. História da Comunicação no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

COMOLLI, Jean-Louis. Ver e poder – A inocência perdida: Cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

CRARY, Jonathan. Techniques of the observer: on vision and modernity in the nineteenth century. Massachusetts: MIT Press, 1992.

ELLIS, John. Visible fictions: Cinema Television Video. Eastbourne: Routledge, [1982] 2006.

FECHINE, Yvana. Televisão e presença: uma abordagem semiótica da transmissão direta. São Paulo: Estação das Letras e Cores/CPS-Centro de Pesquisas Sociossemióticas, 2008.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Pequenas crises. Experiência estética nos mundos cotidianos. In: GUIMARAES, Cesar; LEAL, Bruno; MENDONÇA, Carlos. Comunicação e experiência estética. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006, pp. 50-63.

KERCKHOVE, Derrick de. A pele da cultura: Investigando a nova realidade eletrônica. São Paulo: Annablume, 2009.

MARQUIONI, Carlos Eduardo. TV digital interativa brasileira: redefinições culturais e inter-ações midiáticas em tempos de migração tecnológica. 2012. 283 f. Tese (doutorado em Comunicação e Linguagens) – Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2012.

MARQUIONI, Carlos Eduardo. Do uso concomitante de dispositivos tecnológicos: a experiência de Segunda Tela enquanto reconfiguração no modo de assistir TV. GEMInIS: Grupo de estudos sobre mídias interativas em imagem e som (UFSCar), São Carlos, ano 5, n. 1, p. 06-22, jan./jun. 2014.

MARQUIONI, Carlos Eduardo. Programas jornalísticos na TV aberta brasileira: entre atualizações da experiência e a manutenção de antigos contratos de leitura. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

MARQUIONI, Carlos Eduardo; ANDACHT, Fernando. Jogando com a comida: MasterChef e os recursos televisuais que tornam espetacular uma atividade ordinária. E-compós, Brasília, v.19, n.2, maio/ago. 2016.

MARQUIONI, Carlos Eduardo; ANDACHT, Fernando. Conversando com a comida: MasterChef e o solilóquio como acesso privilegiado à autenticidade. Famecos (PUC-RS), Porto Alegre, v. 24, n. 2, maio, junho, julho e agosto de 2017.

MARQUIONI, Carlos Eduardo; OLIVEIRA, Caroline Cavalcanti de. Para além da competição: consumindo afetos como cultura material no programa MasterChef: análises e reflexões iniciais. Conexão: Comunicação e Cultura (UCS), Caxias do Sul – v. 14, n. 28, p. 73-97, jul./dez. 2015.

MARQUIONI, Carlos Eduardo; OLIVEIRA, Caroline Cavalcanti de. Sobre novas formas de manipulação do tempo na televisão (ou Redefinindo a noção de TV ‘ao vivo’ via redes sociais). Comunicação & Sociedade (UMESP), São Bernardo do Campo, v. 38, n. 02, pp. 209-229, mai./ago. 2016.

OLIVEIRA, Caroline Cavalcanti de. Dos modelos televisuais em vídeos na Web: desdobramentos midiáticos do programa de receita culinária. Rumores (USP), São Paulo, v. 10, n. 19, p. 246-261, jan./jun. 2016.

PROULX, Mike; SHEPATIN, Stacey. Social TV: How Marketers Can Reach and Engage Audiences by Connecting Television to the Web, Social Media, and Mobile. New Jersey: John Wiley & Sons, 2012.

SCANNELL, Paddy. Television and the meaning of live. Cambridge: Polity Press, 2014.

WILLIAMS, Raymond. Television: Technology and Cultural Form. Padstow: Routledge Classics, [1974] 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v14i41.1444

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: SCOPUS lREVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  |  

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br