A memória midiática: projeções e sujeições no ambiente digital

Diogo Andrade Bornhausen, Norval Baitello Junior

Resumo


O propósito deste estudo é investigar sobre como a memória é assimilada e disponibilizada pelos meios digitais. Esta interrogação parte do valor que a memória possui para a cultura e para a comunicação para o como é reconhecida na atualidade, projetada por sua totalidade e plenitude. Em razão disso, nota-se que sua presença ultrapassa a funcionalidade tecnológica cumulativa ao se formar como agenciadora das estratégias dos meios em narrativizar e gerenciar os saberes. Estas ocorrências, observadas a partir do Google e do Facebook, serão ainda vistas como determinantes para a formação deste ambiente comunicativo, que centra as experiências de memória a partir do automatismo e do excesso, o que ressignifica suas compreensões coletivas e subjetivas, principalmente.


Palavras-chave


Memória Midiática; Memória no Google; Memória no Facebook

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Parva naturalia. São Paulo: Edipro, 2012.

BERGSON, H. Memória e vida. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BORKO, H. Information science: what is it? In. American Documentation, Chicago, v.19, n.1, p.3-5, jan. 1968.

CARR, N. A geração superficial: o que a Internet está fazendo com nossos cérebros. Rio de Janeiro: Agir, 2011.

DAMASIO, A. O mistério da consciência. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

ELIADE, M. Mito e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 2013.

FLUSSER, V. Comunicologia: reflexões sobre o futuro. As conferências de Bochum. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

__________. Filosofia da caixa preta. Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Annablume, 2011.

__________. Memória. [Sem Data]_2683_MEMORIA [V.2]. Arquivo Vilém Flusser São Paulo.

FREUD, S. Uma Nota Sobre o Bloco Mágico. In: Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol XIX . Rio de Janeiro: Imago Editora, 1996.

___________. Lembranças encobridoras. Rio de Janeiro: Imago, 1989.

GOOGLE (2016). Sobre o Google. Disponível em: http://www.google.com/about/company/. Acesso em 20. Jan. 2017.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 1990.

HERSCHEL, A. J. A passion for truth. New York: Jewish Lights Publis, 1995.

HESIODO. Teogonia. São Paulo: Martin Claret, 2011.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Unicamp, 2003.

_________. Enciclopédia Einaudi. Vol. 1 Memória – História. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1997.

LEVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola, 2011.

LEVY, S. Google a biografia. São Paulo: Universo dos livros, 2012.

LURIA, A. R. A mente e a memória: um pequeno livro sobre uma vasta memória. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação: como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 2012.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Revista Projeto História 10. São Paulo: EDUC, 1993.

PLATÃO. Teeteto. Belém: UFPA, 2001.

________. Fedon: diálogo sobre a alma e morte de Sócrates. São Paulo: Martin Claret, 2003.

________. Menon. São Paulo: Loyola, 2003.

________. O banquete. Porto Alegre: L&PM, 2009.

PROSS, H. Aceleração e perda. In: CONTRERA, Malena Segura; GUIMARÃES, Luciano; PELEGRINI, Milton Org; SILVA, Maurício Ribeiro da. (Orgs.) O espírito do nosso tempo: ensaios de semiótica da cultura e da mídia. São Paulo: Annablume; CISC, 2004.

_________. Atrapados en la red mediática. Orientación en la diversidad. Hondarribia: Argitaletxe Hiru, 1999.

_________. La violencia de los símbolos sociales. Barcelona: Anthropos, 1989.

_________. Estructura simbólica del poder. Barcelona: Editora Gustavo Gili, 1980.

PROSS, H.; BETH, H.. Introducción a la ciencia de la comunicación. Barcelona: Anthropos, 1987.

SPARROW, B.; LIU, J.; WEGNER, D. M. Google Effects on Memory: Cognitive Consequences of Having Information at Our Fingertips. Science Magazine, 2011. Disponível em: http://www.sciencemag.org/content/333/6043/776.full.pdf. Acesso em: 04 Out. 2017.

STRECKER, M. Novo Catálogo da Terra Inteira, Facebook transforma pessoas em marqueteiros de si mesmos. UOL Tecnologia, 2012. Disponível em: http://tecnologia.uol.com.br/noticias/redacao/2012/05/18/novo-catalogo-daterra-inteira-facebook-transforma-pessoas-em-marqueteiros-de-si-mesmos.htm. Acesso em: 04 Out. 2017.

TRIVINHO, E. O mal-estar da teoria: a condição da crítica na sociedade tecnológica atual. Rio de Janeiro: Quartet, 2001.

VERNANT, J. Mito e religião na Grécia Antiga. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

_________. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

VYGOTSKY, L. Imaginación y el arte en la Infancia. Ciudad de México: Hispánicas, 1987.

YATES, F. A arte da memória. Campinas: Ed. Unicamp, 2007.

ZUMTHOR, P. Tradição e esquecimento. São Paulo: Hucitec, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v15i44.1599

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: SCOPUS lREVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  |  

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br