Telenovelas brasileiras, mulheres da classe dominante e a moderna tradição de gênero

Veneza Mayora Ronsini, Hellen Panitz Barbiero, Otávio Chagas Rosa, Marina Machiavelli

Resumo


O foco do texto é entender os usos sociais da ficção televisiva por mulheres das frações alta e média alta da classe dominante, em particular, a construção de uma feminilidade de classe, a qual é capturada pelas visões de mundo que as informantes manifestam. Tais representações se compõem de enunciados sobre as práticas cotidianas – de gestão do corpo, do trabalho e do estudo, da família e das relações amorosas – que dão sentido às práticas e as constituem. Dissertarmos sobre a incorporação das narrativas das telenovelas na formação de um capital cultural midiático que endossa o estilo de vida das mulheres heterossexuais da elite. A análise revela que a assimilação da noção hegemônica da distinção burguesa ocorre pela rejeição da figura fútil da “perua” e pela identificação com a imagem da mulher “moderna”.


Palavras-chave


Telenovela; Usos sociais; Classe dominante; Feminilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. C. A cabeça do brasileiro. Rio de Janeiro: Record, 2007.

AMOR À VIDA. Roteiro: Walcyr Carrasco. Direção-geral: Mauro Mendonça Filho. Rio de Janeiro: Rede Globo de Televisão, 2013-2014.

AVENIDA BRASIL. Roteiro: João Emanuel Carneiro. Direção-geral: Amora Mautner e José Luiz Villamarim. Rio de Janeiro: Rede Globo de Televisão, 2012.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2008.

CARMO, P. S. do. Entre a luxúria e o pudor: a história do sexo no Brasil. São Paulo: Octavo, 2011.

EAGLETON, T. A ideologia e suas vicissitudes no marxismo ocidental. In: ZIZEK, S. (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. p. 179-226.

FINA ESTAMPA. Roteiro: Aguinaldo Silva, Maria Elisa Berredo, Nelson Nadotti e Patrícia Moretzsohn. Direção-geral: Wolf Maya. Rio de Janeiro: Rede Globo de Televisão, 2011-2012.

GIDDENS, A. A transformação da intimidade: Sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Unesp, 1993.

______. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

ILLOUZ, E. Por qué duele el amor. Buenos Aires: Katz, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: Resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2016.

______. Pesquisa Nacional de Análise por Domicílios 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2016.

JACKS, N.; SIFUENTES, L.; LIBARDI, G. Classe social: elemento estrutural (des) considerado nas pesquisas de recepção e consumo midiático. In: JACKS, N. (Coord.); PIEDRAS, E.; PIENIZ, M.; JOHN, V. (Orgs.). Meios e audiências III: reconfigurações dos estudos de recepção e consumo midiático no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2017.

LAHIRE, B. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LAMONT, M. Money, morals, & manners. Chicago: Chicago Press, 1994.

LAWLER, S. Identity. Sociological perspectives. Cambridge (UK): Polity Press, 2014.

LEAL, O. A Leitura Social da Novela das Oito. Petrópolis: Ed. Vozes, 1986.

MARTÍN-BARBERO, J. Uma aventura epistemológica. Matrizes. São Paulo, v. 2, n. 2, p. 143–162, jun. 2009.

MATTOS, P. A mulher moderna numa sociedade desigual. In: SOUZA, J. (Org.). A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

MOORE, R. Capital. In: GRENFELL, M. (Ed.). Pierre Bourdieu : Key concepts. Stocksfield: Acumen, 2008. p.101-118.

REICHERT, C. B.; WAGNER, A. Considerações sobre a autonomia na contemporaneidade. Estudos e Pesquisas em psicologia. Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 1-14, dez. 2007. Disponível em: Acesso em: 30 jan. 2016.

RONSINI, V. Mercadores de sentido: consumo de mídia e identidades juvenis. Porto Alegre: Sulina, 2007.

______. El polvo de la tradición en la carretera de los Estudios Culturales. In: MALDONADO, A. E. (Coord.). Panorâmica da investigação em comunicação no Brasil. Salamanca: Comunicación Social, 2014, p. 75-98.

______. Telenovelas e a questão da feminilidade de classe. In: Encontro anual da Compós, XXIV., 2015. Brasília. Anais... Brasília: UCB, 2015. p. 1-19.

______. Carne e alma: ensaio sobre feminilidade, capital simbólico e melodrama. In: CAMPANELLA, B.; BARROS, C. (Orgs.). Etnografia & consumo midiático: novas tendências e desafios metodológicos. Rio de Janeiro: E-papers, 2016. p. 133-156.

RONSINI, V.; BARBIERO, H.; CHAGAS, O.; MACHIAVELLI, M. Os sentidos das telenovelas nas trajetórias sociais de mulheres das classes populares. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, XXXVIII., 2015. Rio de janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, 2015. p. 1-23.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v16i46.1880

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: SCOPUS lREVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  |  

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br