A incontinência urinária no discurso publicitário: uma “doença silenciosa”

Daniela Zeni Dreher, Cassia Engres Mocelin, Maria Simone Vione Schwengber

Resumo


Resumo: O artigo problematiza a condição de incontinência urinária em mulheres, na cultura midiática, pensada como possibilidade de educação dos corpos, perguntando: como as mulheres incontinentes são posicionadas a partir de um anúncio publicitário? Como corpus de análise, utilizamos a campanha publicitária da marca Plenitud®-Histórias Corajosas: Lorena. O recurso metodológico opera a técnica de análise de discurso na perspectiva Foucaultiana. O anúncio vincula a incontinência a um objeto, a roupa íntima descartável. Educa para o consumo, limita as diferentes perspectivas de tratamento e sugere o uso desta “calcinha” como solução para o problema. Posiciona a mulher como mãe e reforça discursivamente que a incontinência urinária é uma doença silenciosa. De maneira sutil, reafirma estereótipos relacionados à limitação da vida sexualmente ativa em consequência da doença.


Palavras-chave


educação em saúde; incontinência urinária feminina; publicidade

Texto completo:

PDF

Referências


BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BALISCEI, J. P.; ACCORSI, F.A.; TERUYA, T. K. Problematizando “Toda forma de amor”: a visibilidade de grupos minoritários na publicidade de O Boticário. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 21, n.1, p. 111-121, jan/abr. 2017.

BUTLER, J. Excitable speech: a politics of the performative. New York: Routledge, 1997.

COSTA, J. F. O vestígio e a aura: corpo e consumismo na moral do espetáculo. Rio de Janeiro: Garamon, 2005.

DEDICAÇÃO, A. C.; HADDAD, M.; SALDANHA, M. E. S.; DRIUSSO, P. Comparação da qualidade de vida nos diferentes tipos de incontinência urinária feminina. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 13, n. 2, p. 116-122, mar/abr. 2009.

FÁVERI, M.; VENSON, A. M. Entre vergonhas e silêncios, o corpo segredado. Práticas e representações que mulheres produzem na experiência da menstruação. Anos 90, Porto Alegre, v. 14, n. 25, p. 65-97, jul. 2007.

FISCHER, R. M. B. Trabalhar com Foucault: arqueologia de uma paixão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008b.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 5. ed. São Paulo: Loyola, 1979.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: courses of the College de France (1975- 1976). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. A Ética do Cuidado de Si Como Prática da Liberdade. In: FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

HAYLEN, B.T.; DE RIDDER, D.; FREEMAN, R. M.; SWIFT, S. E.; BERGHMANS, B.; LEE, J.; MONGA, A.; PETRI, E.; RIZK, D. E.; SAND, P. K.; SCHAER, G. N. An International Urogynecological Association (IUGA)/International Continence Society (ICS) joint report on the terminology for female pelvic floor dysfunction. Int Urogynecol J., v. 21, n.1, p. 5-26, jan. 2010.

HELMAN, C. Cultura, saúde e doença. Porto Alegre: Artmed, 2009.

MARTINS, J. T. C. Proposta de diretriz clínica de atenção à mulher com incontinência urinária na política pública de saúde. 2015. 137 f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local.) - Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, Vitória, Espírito Santo. 2015.

MARTINS, L. A.; SANTOS, K. M.; DORCÍNIO, M. B. A.; ALVES, J. O.; ROZA, T.; LUZ, S. C. T. A perda de urina é influenciada pela modalidade esportiva ou pela carga de treino? Uma revisão sistemática. Rev Bras Med Esporte, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 73-77, jan/fev. 2017.

MEYER, D. E. Teorias e políticas de gênero: fragmentos históricos e desafios atuais. Rev. Bras Enferm [on line], Brasília v. 57, n. 1, p. 13-18, feb. 2004.

MEYER, D. E. A politização contemporânea da maternidade: construindo um argumento. Gênero, Niterói, v. 6, n. 1, p. 81-104, 2. sem. 2005.

PEREIRA, S. B.; Thiel, R. R. C.; Riccetto, C.; SILVA, J. M.; PEREIRA, L. C.; Herrmann, V.; PALMA, P. Validação do International Consultation on Incontinence Questionnaire Overactive Bladder (ICIQ-OAB) para a língua portuguesa. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v. 32, n. 6, p. 273-278, jun. 2010.

PERROT, M. Minha História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PLENITUD BRASIL. Histórias Corajosas: Lorena. 2016. Youtube. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2018.

SABAT, R. Gênero e Sexualidade para Consumo. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELNER, S. V. (orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, Vozes, 2003. p. 108-123.

SANTOS, C. R. S.; SANTOS, V. L. C. G. Prevalência da incontinência urinária em amostra randomizada da população urbana de Pouso Alegre, Minas Gerais, Brasil. Rev Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 18, n. 5, p. 903-910, set/out. 2010.

AUTOR. Movimento, Porto Alegre, v. 15, n.3, p. 209-232, jul/set. 2009.

SOLER, R.; GOMES, C. M.; AVERBECK, M. A.; KOYAMA, M. The prevalence of lower urinary tract symptoms (LUTS) in Brazil: Results from the epidemiology of LUTS (Brazil LUTS) study. Neurourol Urodyn, v. 37, p. 1356–1364, abr. 2018.

SILVA, L.; LOPES, M. H. B. de M. Incontinência urinária em mulheres: razões da não procura por tratamento. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 72-78, mar. 2009.

SILVA, A. I.; ALMEIDA, C.; AGUIAR, H.; NEVES, M.; TELES, M. J. Prevalência e impacto da incontinência urinária na qualidade de vida da mulher. Rev Port Med Geral Fam, Lisboa, v. 29, n. 6, p. 364-376, nov. 2013.

TAMANINI, J. T. N.; LEBRÃO, M. L.; DUARTE, Y. A. O.; SANTOS, J. L. F.; LAURENTI, R. Analysis of the prevalence of and factors associated with urinary incontinence among elderly people in the Municipality of São Paulo, Brazil: SABE Study (Health, Wellbeing and Aging). Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 8, p. 1756-1762, ago. 2009.

YIP, S. K.; CARDOZO, L. Psychological morbidity and female urinary incontinence. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol, v. 21, n. 2, p. 321-329, abr. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v16i46.1963

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: SCOPUS lREVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  |  

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br