Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay: a publicidade, o consumo e a crença descafeinada

Silvia Rocha

Resumo


Pretendemos analisar a eficácia simbólica presente na publicidade com base na noção de crença descafeinada proposta por Slavoj Zizek – que consiste em aderir a uma prática independentemente de sua verdade.
Pretendemos contrapor essa forma de adesão às práticas mágicas das sociedades tradicionais, sustentando que o mecanismo presente em cada caso é na verdade oposto: pois, se a magia indígena supõe a crença, a publicidade só é eficaz porque não acreditamos nela.
Palavras-chave: Publicidade; crença; eficácia simbólica; Slavoj Zizek.
ABSTRACT
We intend to analyze symbolic efficacy in advertising by using the concept of decaffeinated belief suggested by Slavoj Zizek – which means the adherence to a practice regardless of its truthfulness. We contrast this type of adherence with the magical practices in traditional societies, arguing
that the mechanism in each case is in fact opposite: if magic efficacy supposes belief, advertising is effective only because we don’t believe it.
Keywords: Advertising; belief; symbolic efficacy; Slavoj Zizek.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v3i9.92

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: REVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  | 

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br