A construção discursiva do gosto de classe na telenovela: enunciação e midiatização do consumo de semijoias em Império

Maria Cristina Palma Mungioli, Rosana Mauro

Resumo


Com base no conceito de midiatização, o artigo discute aspectos da produção de sentido do gosto de classe por meio dos discursos da telenovela Império (Globo, 2014). O estudo da enunciação, em uma cena da telenovela, das personagens sobre o objeto "anel de formatura" possibilita observar não apenas a oposição entre gosto de luxo e gosto popular como diferenciadores de classe, mas também os sentidos de inclusão e exclusão do consumo de bens tangíveis e intangíveis pelas classes populares. Constituem-se como referências teóricas principais para esse estudo Bourdieu (1983, 2008), Couldry; Hepp (2013), Fiorin (1997, 2005), Maingueneau (2008), Landowski (1997) e Lipovetsky (2009). 


Palavras-chave


gosto de classe; discurso de telenovela; midiatização; enunciação

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ALMEIDA, H. B. de. Telenovela, Consumo e Gênero. Bauru, SP: EDUSP, 2003.

APPADURAI, A. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2008.

BAKHTIN, M. (V. N. Volochinov). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec Annablume, 2002.

BARROS, D. L. P. de. Teoria Semiótica do Texto. São Paulo: Ática, 2011.

BAUDRILLARD, J. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BOURDIEU, P. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2008.

BOURDIEU, P. Gostos de classe e estilos de vida. In: ORTIZ, R. (org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983, p. 82-121.

CAMPBELL, C. A ética romântica e o espírito do consumismo moderno. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

COULDRY, N.; HEPP, A. Conceptualizing mediatization: contexts, traditions, arguments. Communication Theory, v. 23, Issue 3, p. 191-201, ago/dez. 2013.

DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

FIORIN, J. L.. De gustibus non est disputandum? Para uma definição da semiótica do gosto. In: LANDOWSKI, E.; FIORIN, J. L. (Org.). O gosto da gente, o gosto das coisas. São Paulo: EDUC, 1997.

FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 2005.

LANDOWSKI, E.. Gosto se discute. In: LANDOWSKI, E.; FIORIN, J. L. (Org.). O gosto da gente, o gosto das coisas. São Paulo: EDUC, 1997.

LIPOVETSKY, G O império do efêmero. A moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LOPES, M. I. V. de. Telenovela como recurso comunicativo. Matrizes, São Paulo, v. 3, n. 1 p. 21-48, ago/dez. 2009.

MAINGUENEAU, D. Cenas da enunciação. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MUNGIOLI, M. C. P. Minisséries Brasileiras: um lugar de memória e (re) escrita da nação. In: CASTRO, G. G. da S.; BACCEGA, M. A. (orgs.). Comunicação e consumo nas culturas locais e globais. São Paulo: ESPM, 2009.

ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

SODRÉ, Muniz. A ciência do comum: notas para o método comunicacional. Petrópolis/RJ: Vozes, 2014.

TRINDADE, E.; PEREZ, C.. Dimensões do consumo midiatizado. In: Congresso Mundial de Comunicação Ibero-Americana – CONFIBERCOM, 2, 2014, Braga. Anais II Confibercom. Braga: Universidade do Minho, 2014. p.1- 9.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v13i38.1095

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: REVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  | 

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br