Quando a imagem é corpo: modos de sobreviver à máquina colonial

Fernando Resende, Roberto Robalinho, Diego Granja Amaral

Resumo


Este artigo parte dos vestígios de uma escrava africana enterrada na região portuária do Rio de Janeiro e do filme “Era o Hotel Cambridge” (Brasil, 2016), sobre uma ocupação no centro de São Paulo, com o objetivo de discutir como a imagem configura um corpo a partir de situações liminares. A proposta é observar a emergência intermitente das imagens e daquilo que é relegado à posição de resto, rastro, e vestígio na estrutura do poder colonial. Dos ossos humanos, que clamam um acerto com um passado escravagista, ao esqueleto de um edifício abandonado pela especulação e reinventado como corpo político por refugiados e sem-tetos brasileiros, a imagem é a instância que conduz as demandas políticas no tempo. É a insistência de uma memória marginalizada, violentada, mas que recusa o apagamento. Como gesto de criação, persistência e (r)existência, a imagem nos serve como instrumento analítico para pensar contextos pós-coloniais e suas sobrevivências.


Palavras-chave


corpo; tempo; imagem; pós-colonial; sobrevivência

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Means without end: notes on politics. Miniapolis, University of Minessota Press, 2000.

__________________. O que resta de Auschwitz. Boitempo Editorial, São Paulo, 2008.

ARENDT, Hannah. Nós, os refugiados. Covilhã, Universidade da Beira, 2013.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas volume 1: magia e técnica, arte e

política. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BUTLER, Judith. Precarious life: the power of mourning and violence. New York, Verso, 2004.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo, Editora Brasiliense, 2009.

______. Sobre as Sociedades de Controle Post-Scriptum. In: DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Images malgré tout. Paris: Les Éditions de Minuit, 2003.

_________________. Pueblos expuestos, pueblos figurantes. Buenos Aires, Ediciones Manantial, 2014.

________________. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2011.

________________. Quando as imagens tocam o real. in: Pós, vol.2 nº4, p. 204 – 219, Belo Horizonte, EBA UFMG, 2012.

GILROY, Paul. O Atlântico negro. São Paulo, Editora 34, 2017.

GLISSANT, Edouard. Creolization in the Making of the Americas. In: Caribbean Quarterly. N.54. v.1-2. p. 81-89, 2008.

_________________. Poetics of relation. University of Michigan Press, 1997.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do ‘fim dos territórios’ à multiterritorialidade. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2016.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona, 2014.

________________. Necropolitics. Public Culture, 2003, p.11 – 40, Duke University Press.

MIGNOLO, Walter D. Colinialidade: O lado mais escuro da modernidade. IN: BCS v. 32 n. 94 jun. 2017.

__________________. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

__________________. Histórias locais-projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

OLIVEIRA, Cláudia. História desenterrada. O Globo, 2017, visto em https://oglobo.globo.com/sociedade/historia-desenterrada-21532191, fevereiro de 2019.

QUIJANO, Aníbal. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O inconsciente estético. São Paulo: Ed. 34, 2009.

_________________. Politics, Identification, and Subjectivization. In: The Identity in Question. October, v. 61, pp. 58-64. The MIT Press, 1992.

ROGOFF, Irit. Terra infirma: geography’s visual culture. New York, Routledge, 2006.

SERRES, Michel. Narrativas do humanismo. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2015.

VASSALLO, Simone. Entre objetos da ciência e vítimas de um holocausto negro: humanização, agência e tensões classificatórias em torno das ossadas do sítio arqueológico Cemitério dos Pretos Novos. Interseções – Revista de Estudos Interdisciplinares, v. 20, p. 36-66, 2018.

___________________. Entre vidas objetificadas e vítimas da escravização: a trajetória das ossadas do Cemitério dos Pretos Novos no Rio de Janeiro. Sexualidad, Salud y Sopciedad, Rio de Janeiro, v. s/v, p.277-297, 2017.

Filmes

A chave da casa. Direção Stela Grisoti e Paschoal Samora. Brasil, 2009.

BLOOD in the Mobile Direção de Frank Piasecki Poulsen. TV (52min). Dinamarca/Alemanha, 2010.

ERA o hotel Cambridge. Direção de Eliane Café. São Paulo: Aurora Filmes, 1 DVD (93 min.), 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v16i47.2107

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: SCOPUS lREVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  |  

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br