E elxs viverão felizes para sempre? (in)visibilidades de personagens LGBTs em produções da Disney como força propulsora de ciberacontecimentos

Felipe Viero Kolinski Machado, Christian Gonzatti, Francielle Esmitiz

Resumo


A partir dos sentidos que emergiram no Twitter em torno da possibilidade da rainha Elsa, da animação Frozen (2013), ser lésbica, dos beijos entre personagens do mesmo gênero no desenho Star contra as Forças do Mal (2015) e da inserção de uma personagem gay no filme A Bela e a Fera (2017), tensiona-se o que a visibilidade dessas questões em produções da Disney aponta em relação às articulações entre cultura pop, ciberacontecimentos e questões de gênero e de sexualidade. A metodologia empreendida é a de análise de construção de sentidos em redes digitais (HENN, 2014) e, ao final dela, foi possível constatar, em linhas gerais, que a inserção dessas personagens produziu intensa reverberação, entre usuários e portais noticiosos e, ainda, movimentos de apoio e de ojeriza à iniciativa.

Palavras-chave


Disney; Gênero e Sexualidade; Ciberacontecimento; Twitter; Cultura Pop

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, A. et al. De westeros no #vemprarua à shippagem do beijo gay na TV brasileira. Ativismo de fãs: conceitos, resistências e práticas na cultura digital. Galáxia (São Paulo, Online), n. 29, p. 141-154, jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: agosto/2017.

ATTITUDE. Beauty and the Beast set to make Disney history with gay character. 2017. Disponível em: http://attitude.co.uk/world-exclusive-beauty-and-the-beast-set-to-make-disney-history-with-gay-character/ Acesso em setembro/2017.

AUTOR et al. De clarina a lovewins: articulações entre ciberacontecimentos, questões de gênero e sexualidade e publicidade e propaganda em sites de redes sociais. VII Seminário de Mídia e Cultura. Goiânia. Anais do VII Seminário de Mídia e Cultura, PPGCOM/FIC/UFG.

BORRILLO, Daniel. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro, 2012: Civilização Brasileira.

CARDOSO, H. et al. Marcas e aprendizagens da heteronormatividade em filmes infantis. Espaço do Currículo, Paraíba, v.8, n.2, p. 244-253, maio a agosto de 2015.

CONNEL, R. W. Masculinidades.Universidad Nacional Autónoma de México, Coordinación de Humanidades, Programa Universitário de Estudios de Género, 2003.

ESTADÃO. Malafaia propõe boicote à Disney e a internet não poderia ligar menos. 2017. Disponível em: Acesso em setembro/2017.

FISCHER, R. M. B. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de se educar na (e pela) TV. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 151-162, jan./jun. 2002.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 2011.

HENN, R. “Seis categorias para o ciberacontecimento”. In: NAKAGAWA, R. M.; SILVA, A. R. (Org.). Semiótica da Comunicação II. São Paulo: INTERCOM, 2015. v.2, p. 208-227.

HENN, R. Acontecimento em rede: crises e processos. IN: LEAL, Bruno Souza; ANTUNES, E. ; VAZ, P. B. (orgs.). Jornalismo e Acontecimento: percursos metodológicos. Florianópolis: Insular, v.2, 2011.

HENN, R. C.; AUTOR. Mas... E o beijo das travestis? De Feliko e Clarina, dos sentidos produzidos em rede e de quem pode (e como pode) beijar no horário nobre. Contemporânea-Revista de Comunicação e Cultura, Bahia,v. 13, n. 2, p. 366-381.

HENN, R. El ciberacontecimiento, produción y semiosis. Barcelona: Editorial UOC, 2014.

HENN, R. et al. Jordan lives for the applause: perfomances de si como propulsoras de ciberacontecimentos. In: XXV Encontro Anual da Compós, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

HYPENESS. Disney pode ter sua primeira princesa lésbica em 2018. Disponível em: Acesso em setembro/2017.

JENKINS, H. Cultura da Convergência: tradução Susana L de Alexandria. 2 ed. – São Paulo: Aleph, 2009.

JENKINS, H. et al. Cultura da Conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. – São Paulo: Aleph, 2014.

KELLNER, D. A cultura da mídia - estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

LOPES, D. Terceiro manifesto camp. In: LOPES, Denilson. O homem que amava rapazes e outros ensaios. Rio de Janeiro: Aeroplano, p. 89-120, 2002.

MACHIDA, A. N. Construção do gênero feminino nas animações infantis. 2017. 76 p. Monografia. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

PEREIRA DE SÁ, S. Somos Todos Fãs e Haters? Cultura Pop, Afetos e Performance de Gosto nos Sites de Redes Sociais. Revista Eco Pós, Rio de Janeiro, v 19, n.3, 2016. Disponível em . Acesso em: 28 dez. 2016.

PRECIADO, P. B. Manifesto Contrassexual. São Paulo: N-1 Edições, 2014

RECUERO, R. Conversação em rede: a comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. 2 ed. Porto Alegre: Sulina, 2014.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. 1. ed. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RICH, A. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas, Natal. Nº 5, 2010, p.17-44.

SANTOS, C. C. O Vilão Desviante: Ideologia e Heteronormatividade em Filmes de Animação Longa-Metragem dos Estúdios Disney. 2015. Dissertação de Mestrado, USP, 2015.

SANTOS, C. C.; PIASSI, L. P. de C. O vilão desviante: Uma leitura sociocultural pela perspectiva de gênero de Scar em O Rei Leão. Textura, n.32, set./dez.2014.

SEDGWICK, E. K. A Epistemologia do Armário. In: Cadernos Pagu. Tradução de Plinio Dentzien. Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, 2007.

SOARES, T. Percursos para estudos sobre música pop. In: SÁ, S. P. de; CARREIRO, R.; FERRAZ (Orgs). Cultura Pop. Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós, 2015.

SOARES, Thiago. Abordagens Teóricas para Estudos Sobre Cultura Pop. Logos, v.2, n. 24, 2014. Disponível em: < http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/ logos/article/view/14155> Acesso em: 11 jan. 2017.

TOWBIN, M. A. et al. Images of Gender, Race, Age, and Sexual Orientation in Disney Feature-Length Animated Films. Journal of Feminist Family Therapy.Vol. 15(4), 2003.

TWITTER. Uso do Twitter. s/d Disponível em: https://about.twitter.com/pt/company Acesso em setembro/2017.

WARNER, M. Fear of a Queer Planet: Queer Politics and Social Theory. Minneapolis/London, University of Minnesota Press, 1991.

WEEKS, J. O Corpo e a Sexualidade. In: LOURO G. L (organizadora) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2ª Ed. – Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

WESTPHAL, C. "Contrary Sexual Feeling", in: Archiv für Psychiatrie und Nervenkrankheiten, Vol. 2, Berlin, 1870. Disponível em: http://www.well.com/~aquarius/westphal.htm Acesso em setembro/2017.

WITTIG, M. El pensamiento heterosexual y otros ensayos. Egales, Barcelona, 2010.

ZERO HORA. Disney deve fechar o ano com o maior faturamento da história do cinema. 2016. Disponível em: Acesso em: setembro/2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v15i43.1535

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: SCOPUS lREVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  |  

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br