O imaginal público: prolegómenos a uma abordagem comunicacional do imaginário

Samuel Mateus

Resumo


Neste trabalho procuramos delinear alguns aspectos que evidenciam
a dimensão comunicacional do imaginário. Isso significa que precisamos de prestar atenção ao modo como o imaginar colectivo modela a realidade social e como a publicidade colabora nesse processo. Sugerindo uma ligação estreita entre o imaginário, a sociedade e a publicidade, nomeamos “imaginal público” ao conjunto dinâmico, simbólico e complexo de imaginários diversos e heterogéneos que
permeiam as sociedades.

Palavras-chave


Imaginário; Imaginal; Princípio de Publicidade; Comunicação; Mediatização

Referências


ALTHUSSER, L. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado, Lisboa, Editorial Presença,

ARAÚJO, A. F.; BAPTISTA, F. P. (Org.). Variações sobre o Imaginário – domínios, teorizações,

práticas hermenêuticas, Lisboa, Instituto Piaget, 2003.

ARISTOTLE. Poetics, Cambridge, Hackett Publishing, 1987.

ASEN, R. Imagining in the Public Sphere, Philosophy and Rhetoric, v. 35, n. 4, pp. 345-367,

BACHELARD, G. Air and Dreams: An Essay on the Imagination of Movement, Dallas Institute

Publications, 2011 [1943].

BAUDRILLARD, J. Simulacres et Simulation, Paris, Galillée, 1981.

BAUMAN, Z. Consuming Life, London, Wiley, 2007.

CORBIN, H. Mundus Imaginalis or the Imaginary and the Imaginal, 1964, accessed in June,

in http://www.hermetic.com/bey/mundus_imaginalis.htm

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mille Plateaux – Capitalisme et Schizophrénie, 2, Paris, Les

Éditions de Minuit, 1980.

DELUCA, K. M.; PEEPLES, J. From public sphere to public screen: democracy, activism,

and the violence of Seattle, Critical Studies in Media Communication, London, v. 2, n.

, pp.125-151, 2002.

DURAND, G. A Imaginação Simbólica, Lisboa, Edições 70, 1995 [1964].

ELIAS, N. The Society of Individuals, New York, Continuum International Publishing

Group, 2001 [1939].

FLEURY, C. La Conscience Imaginale. In: Fleury, Cynthia (Org.), Imagination, Imaginaire,

Imaginal, Paris, Presses Universitaires de France, pp. 9-21, 2006.

GAGNÉ, I. Urban Princesses: Performance and “Women’s Language” in Japan’s Gothic/

Lolita Subculture. Journal of Linguistic Anthropology, Malden, v. 18, issue 1, pp. 130-

, 2008.

HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W. Dialectic of Enlightenment: Philosophical Fragments,

Stanford, Stanford University Press, 2002 [1944].

KANT, I. Crítica da Razão Pura, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2001 [1781].

KEARNEY, R. The Wake of Imagination, London, Routledge, 2009 [1988].

LIPOVESTKY, G. Le Bonheur Paradoxal: essai sur la société d’hyperconsommation, Paris,

Éditions Gallimard, 2006.

MATEUS, S. “As Comunidades Ópticas – uma análise das redes sociais digitais a partir do

seu regime óptico”, Contemporânea – revista de comunicação e cultura, Salvador da

Bahia, v. 11, n. 1, pp. 126-137, 2013.

METZ, C. The Imaginary Signifier: Psychoanalysis and the Cinema, Bloomington, Indiana

University Press, 1982.

MONDZAIN, M. J. Le Commerce des Regards, Paris, Éditions du Seuil, 2003.

PASCAL, B. Pensées, Paris, Le Seuil, 1963 [1670].

SARTRE, J. P. The Imaginary – A phenomenological psychology of the imagination, London

and New York, Routledge, 2004 [1940].

WUNENBURGER, J. J.; ARAÚJO, A. F. Introdução ao Imaginário. In: Araújo and Baptista

(Org.), Variações sobre o Imaginário – domínios, teorizações, práticas hermenêuticas, Lisboa,

Instituto Piaget, pp. 23-44, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v10i29.528

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: REVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  | 

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br