Novas imagens da pombagira na cultura pop: símbolos, mitos e estereótipos em circulação

Florence Marie Dravet, Leandro Bessa Oliveira

Resumo


Como o arquétipo da mulher selvagem sobrevive e ressurge dentro de construções estereotipadas do feminino na cultura pop contemporânea, especialmente, na música e nos videoclipes? Para tratar desse arquétipo, partimos da figura brasileira da pombagira, símbolo de uma força feminina livre, selvagem, sensual e sexual. De acordo com a teoria de Warburg (2012), símbolos fortes ressurgem na arte devido ao caráter recorrente do pathos, que ele denomina pathosformel. Mostraremos, com o estudo de três figuras do feminino do star system mediático como um feminino livre, embora tenha sido devastado por séculos de falocentrismo, está ressurgindo e se manifestando na cultura pop.

Palavras-chave


Cultura pop; Pombagira; Valesca Popozuda; Lady Gaga; Azis

Referências


ALLES, N.; COGO, D. Sou feliz sendo prostituta: incidências de discursos governamentais e midiáticos sobre prostituição. Esferas: revista Interprogramas de Pós-Graduação em Comunicação do Centro-Oeste, ano 2, n. 3, p. 11-20, Julho/dezembro de 2013.

AUGRAS, M. Imaginário da Magia: magia do imaginário. São Paulo: Vozes, 2009.

BAITELLO JR., N. A era da iconofagia. São Paulo: Hacker, 2005.

BATAILLE, G. O erotismo. São Paulo: Autêntica, 2014.

CHARBEL, Felipe. Aby Warburg e a pós-vida das pathosformeln antiga. História da historiografia. Ouro Preto, v 5, p 134-147, setembro de 2010.

DA FAVELA para o mundo. Direção: Marcos Júnior. Produção: Pardal Produções. Documentário, 15’52’’. Disponível em: . Acesso em novembro de 2015.

DIDI-HUBERMAN, G. A imagem sobrevivente. História da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Trad. V. Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

DRAVET, F. “A formação das imagens do feminino na cosmologia da umbanda e sua manifestação no imaginário brasileiro”, Anais do XXII Encontro Anual da Compós, Salvador, 2013. Disponível em http://encontro2013.compos.org.br/anais/imagem-e--imaginarios-midiaticos/. Acessado em 15/11/2015.

DUFOUR, D-R. A cidade perversa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

JUNG, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

LEITE, G. Filha, mãe, avó e puta: a história de uma mulher que decidiu ser prostituta. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MORIN, E. Cultura de massas no século XX. v. 1. Neurose. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

OXALÁ, A. Igbadu: a cabaça da existência. São Paulo: Palas Athena, 1998.

SANTANA, J. de S. Do monstro da fama ao nascimento da vênus: um livro-arte sobre Lady Gaga. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. (Comunicação Social / Publicidade e Propaganda) - Universidade Católica de Brasília. 56p.

SANTOS, J. E. Os nagô e a morte. São Paulo: Vozes, 2001.

SOARES, T. Abordagens teóricas para estudos sobre a cultura pop. Logos. Comunicação e Universidade. Rio de Janeiro: Uerj, v. 2, n. 24, 2014.

WARBURG, A. L’Atlas Mnémosyne. Paris: L’écarquillé, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/cmc.v12i35.1082

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Comunicação Mídia e Consumo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Diretórios e Indexadores: REVCOM l UNIVERCIENCIA l Sumários.org l LIVRE l Latindex l EBSCO l CENGAGE Learning l DOAJ l IBICT/SEER l Portal de Periódicos da CAPES l Diadorim  | 

Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP

CEP: 04018-010 - e-mail: revistacmc@espm.br